planejamento-financeiro-gravidas

Se você acabou de descobrir a gravidez, certamente já começou a pensar em como organizar o orçamento para que essa seja uma fase repleta de amor e com pouco espaço para preocupações econômicas, não é mesmo? Saiba que, com um bom planejamento financeiro para grávidas, é possível controlar seus gastos antes, durante e depois da gravidez.

Neste post, listamos alguns itens que lhe auxiliarão e permitirão que você aproveite esse período com muito mais leveza e sem que as contas fiquem no vermelho. Continue acompanhando a anote as nossas dicas!

1. Descubra quais serão suas maiores despesas

Antes de começar a se preparar financeiramente, você precisa saber exatamente quais serão as suas despesas, principalmente as maiores. Utilizar uma planilha eletrônica ou um gerenciador financeiro permite relacionar tais despesas e prever os principais custos.

Apesar de familiares e amigos mais próximos sempre presentearem o bebê, é preciso considerar, de início, gastos como móveis, bebê conforto, carrinho e mamadeiras, geralmente os mais custosos do enxoval do bebê.

Quanto aos brinquedos, os gastos não precisam ser exorbitantes: vale trocar a enorme brinquedoteca por livros, por exemplo, que poderão ser aproveitados por muitos anos.

2. Corte gastos desnecessários

Prevendo quanto você gastará durante a gravidez e os primeiros anos do bebê, é hora de reduzir os gastos. Para quem mora de aluguel, vale examinar a locação do imóvel, seja por conta do valor do aluguel ou das dimensões do ambiente.

Os cortes também devem afetar os pequenos gastos do dia a dia. A redução no consumo de água e energia e a reanálise do pacote de TV por assinatura e telefonia móvel, por exemplo, podem reduzir consideravelmente o orçamento mensal.

3. Considere abrir uma poupança

Alguns especialistas recomendam que seja aberta uma poupança destinada ao futuro da criança, logo após o seu nascimento. Os rendimentos, a priori, devem ser destinados a casos emergenciais relacionados à saúde ou à educação. Poupar cerca de R$ 100,00 ao mês já é o suficiente.

Mas além da poupança para o filho, é interessante que os pais criem uma segunda reserva financeira para outras necessidades da família. Assim, não correrão o risco de interferir na reserva destinada ao futuro dos filhos.

4. Contrate um plano de saúde

Infelizmente, a saúde pública não funciona adequadamente em todo o país. Realizar acompanhamento ginecológico e obstetrício, internação e parto pode custar cerca de R$ 10.000,00 na rede particular.

Com o plano de saúde, esses custos serão menores. Dependendo do estágio da gravidez e da modalidade do plano, é possível contar com a cobertura total das consultas médicas de acompanhamento, internação e parto!

5. Faça um chá de bebê

Os famosos chás de bebê ou chás de fralda são bem comuns nas gestações. Afinal, sabe-se que fazer um enxoval completo demanda um grande investimento, principalmente em fraldas. Não afaste essa ideia: você deve fazer um! Sabia que muitos casais utilizam as fraldas recebidas no chá do bebê durante o primeiro ano inteiro do filho?

Para quem tem amigos e familiares que moram longe, uma boa dica é apostar nos chás de bebê online que, revertem em dinheiro os valores dos presentes recebidos, facilitando ainda mais o planejamento dos pais.

E então, gostou das dicas? Esperamos que você tenha curtido nossas recomendações sobre planejamento financeiro para grávidas e comece a colocá-las em prática hoje mesmo!

Para não perder outros posts como esse, assine nossa newsletter!


No EuNeném você pode fazer o seu  chá de bebê ou chá de fralda online. Compartilhe com seus amigos e resgate os presentes em dinheiro para comprar o que você realmente precisa. Experimente agora!

Você também vai gostar destes conteúdos: