Os sintomas de gravidez vão muito além do enjoo e do atraso menstrual. Saber sobre eles é importante para que você consiga perceber se está grávida ou não, antes mesmo de fazer o teste ou de esperar para ver se a sua menstruação chegou — ou deixou de chegar. Quanto mais cedo você souber que está grávida, melhor será para cuidar da saúde do bebê e da sua.

Em todo caso, você não deve só contar com os sintomas para tirar suas conclusões. A gravidez psicológica tem praticamente os mesmos sintomas e acontece com quem quer muito engravidar ou com quem tem medo demais de ter um filho. Então, para ter certeza, o correto é procurar um médico para pedir exames e conferir como anda a sua saúde no geral.

Caso a gravidez seja confirmada, é preciso adotar hábitos mais saudáveis e acompanhar junto a um médico o desenvolvimento do bebê, para garantir que mãe e filho estão bem neste momento que é tão delicado. Lembrando sempre que as gestantes precisam de cuidado e ajuda de familiares e amigos para a gravidez ocorrer da melhor forma possível.

Neste texto, você encontrará:

sintomas-de-gravidez

Quando aparecem os primeiros sintomas de gravidez

Os sinais de gravidez variam de uma pessoa para outra. Assim, o momento em que eles aparecem também pode variar. Por serem parecidos com os sintomas de TPM, é comum fazer essa confusão e interpretar os sintomas de gravidez como uma tensão pré-menstrual intensa, principalmente, se eles aparecerem antes do atraso menstrual.

Geralmente, os primeiros sintomas são sentidos entre seis dias e três semanas depois da fecundação. Eles variam de pessoa para pessoa e da primeira para a segunda gravidez na mesma mulher, por isso pode ser difícil diagnosticar uma gravidez só olhando para os sintomas. É preciso que você tenha um conhecimento profundo do seu corpo e de como funciona o seu ciclo menstrual.

Os sintomas mais clássicos, quando aparecem juntos, deixam poucas dúvidas sobre a gravidez, mas não são todos os casos em que as mulheres desmaiam, sentem enjoos e mudam o paladar.

Existem situações em que a gravidez passa despercebida e sem sintomas por vários meses. Em outras, a mulher para de menstruar por outro motivo que não seja a espera de um bebê.

Atraso na menstruação é gravidez?

Nem todo atraso menstrual é devido à gravidez. Quem tem um ciclo mais irregular pode ter o sangramento atrasado, mas isso não indica que tem algo de errado, nem que existe um bebê a caminho. Alguns ciclos são tão irregulares que podem ter um mês de anovulação, ou seja, um período em que o corpo não produz um óvulo e, por tanto, também não menstrua.

Meninas com menos de 20 anos, geralmente, têm seus ciclos ainda indefinidos. Porém, depois dessa idade, ele começa a se regularizar e fica mais fácil saber quando a menstruação está atrasada e se o motivo deste atraso pode ser uma gravidez.

Se a sua menstruação está atrasada e você já fez dois testes de gravidez que deram negativo, com uma semana de intervalo entre um e outro, então, o motivo do atraso pode ser outro. Nesse caso, o mais indicado é consultar um médico para verificar o que está acontecendo.

Entre os possíveis motivos para o atraso menstrual estão:

Prática excessiva de exercício físico

Pode acontecer durante a preparação para competições esportivas ou numa mudança brusca da frequência em que você faz exercícios. Seu corpo gasta muita energia com os treinos e acaba não ovulando. Sem óvulo no útero, não tem nada para ser descartado e, por isso, não menstrua. A falta de menstruação é chamada de amenorreia e atinge até 66% das atletas, enquanto para o resto da população, a taxa é de 3%.

Tenha sempre atenção para a quantidade de exercício físico que você pratica, procure a ajuda de um profissional se resolver começar a treinar mais pesado e vá com calma. É mais saudável manter uma atividade regular do que começar um esporte que vá exigir demais de você de uma hora para outra.

Dietas muito restritivas

A perda de peso muito rápida diminui a gordura corporal — o que é o objetivo de quem segue dietas rígidas de emagrecimento —, mas altera também outras funções metabólicas do corpo, como a ovulação. Por isso, é tão importante fazer uma dieta que permita um emagrecimento saudável. Fazer exercícios frequentemente, sem exageros, como vimos no item anterior, é uma boa opção para regularizar seu metabolismo alterado pela perda de peso muito rápida.

Má alimentação e distúrbios alimentares também causam os mesmos efeitos no organismo e podem ser o motivo do atraso menstrual. Lembre-se de que para fazer uma dieta saudável é importante procurar nutricionistas e, se o seu caso for um distúrbio alimentar, como bulimia ou anorexia, procure ajuda! Psicólogos, familiares e amigos são um bom apoio nessa hora.

Muito estresse acumulado

Em uma situação de estresse muito grande, o organismo produz muito cortisol e esse hormônio corta a produção de outro que regula o ciclo menstrual. Assim que o estresse passa, o cortisol cai e tudo volta ao normal. O que costuma acontecer é uma sequência de situações estressantes em um período curto de tempo, isso tende a criar um nível de tensão que demora mais a passar e acaba afetando outras funções do organismo.

Ter atenção para essas situações e cuidar da sua saúde mental é fundamental, porque o estresse gerado aqui pode desencadear problemas físicos sérios ligados não somente à fertilidade. Mas também à produtividade no trabalho e ao relacionamento com outras pessoas, por exemplo.

Alterações hormonais

Essas alterações podem ser causadas por vários motivos como ovário policístico, endometriose ou mioma. Algumas dessas doenças não têm outros sintomas sem ser o atraso menstrual. Então, é importante consultar um médico e acompanhar de perto as variações do seu ciclo. Elas podem dizer muito sobre a saúde do seu sistema reprodutor.

Alguns métodos contraceptivos usam hormônios para regular o ciclo menstrual ou impedir que ele aconteça. A troca ou interrupção de algum desses métodos — como pílula, DIU e anel vaginal — pode deixar o ciclo irregular e acabar atrasando a menstruação.

A pílula do dia seguinte também tem hormônios e causa efeitos muito fortes sobre o organismo. Por isso, deve ser usada apenas em casos de emergência. A menstruação atrasada depois do uso da pílula pode indicar que o impacto desses hormônios no organismo foi muito forte e afetou o ciclo daquele mês.

sintomas-de-gravidez02

Conheça os sinais da gravidez

Apesar do atraso na menstruação ser um indício muito forte de que a mulher possa estar grávida, é importante ressaltar que ele não é o único sintoma. Existem vários outros que aparecem principalmente em decorrência do aumento de hormônios e da preparação fisiológica do organismo para manter o bebê durante e após a gravidez.

Os sintomas mais clássicos são enjoos, desmaios, queda de pressão e mudança no paladar. Mas existem muitos outros que também acompanham as futuras mães durante o período de gestação. É importante estar sempre acompanhando os sinais que o seu corpo apresenta para saber diferenciar quando alguma coisa está diferente.

Corrimento vaginal

Este corrimento pode ser confundido com uma menstruação mais fraca e por isso algumas mulheres não desconfiam que estão grávidas. O corrimento com sangue nos primeiros três meses de gestação é bem comum e pode ter várias causas: a fixação do óvulo na parede uterina — que rompe alguns vasos finos de sangue —, pequenas lesões na vagina e alterações hormonais causadas por qualquer outro motivo natural ou externo.

Para saber se o corrimento é menstruação ou um sinal de gravidez é preciso se perguntar:

  • este sangramento ocorreu no período em que a menstruação deveria vir?
  • durou a quantidade de dias que costuma durar?
  • o sangue tem a mesma aparência que apresenta em uma menstruação normal?

Caso a resposta seja sim para duas ou três dessas perguntas, a chance desse corrimento ser menstruação é muito grande.

Atraso menstrual

Menstruação e gravidez não acontecem simultaneamente, na maioria dos casos. Para o feto se desenvolver, é preciso que ele esteja fixado na parede do útero, preparada especialmente para recebê-lo. A menstruação destrói o tecido que receberia o óvulo fecundado.

Caso o óvulo fecundado se fixe na parede do útero, o seu organismo impede que a menstruação aconteça para não destruir o embrião que começa a se formar ali. Por isso, é comum que o atraso da menstruação indique gravidez, mas, como já vimos antes, só esse sintoma não é suficiente para comprovar que uma mulher está esperando um filho.

Cólica e inchaço abdominal

Estes sintomas aparecem nos primeiros meses de gestação e também durante a TPM pelo mesmo motivo: seu corpo recebe uma quantidade grande de hormônios nesses dois momentos e isso causa algumas alterações no corpo como cólica e inchaço.

No início da gravidez, a cólica aparece porque o seu útero está aumentando de tamanho para poder comportar o bebê dentro dele. Algumas dores abdominais de baixa ou média intensidade são bastante comuns e, até mesmo, esperadas durante toda a gestação. A movimentação do feto, a compressão de órgãos abdominais e mudanças na ligação da pelve são os principais motivos dessa dor.

O inchaço abdominal acontece para abrir espaço para o crescimento do útero. É mais um dos sintomas que se parece um pouco com os sintomas da TPM e pode facilmente ser confundido com a sensação de inchaço sentida antes da menstruação.

Mamas sensíveis e inchadas

O corpo da mãe passa por mudanças não só dentro do útero, como também nos seios, para que eles sejam capazes de alimentar o bebê quando ele nascer. Os seios se dilatam, mudam um pouco a cor das aréolas e algumas mulheres se queixam de sensibilidade maior. É comum o aparecimento de veias azuladas — que na verdade sempre estiveram lá, mas agora estão mais dilatadas — e de pequenos nódulos ao redor da aréola. Esses nódulos na verdade são glândulas que mantêm o mamilo lubrificado.

Aumento da frequência urinária

No início da gravidez, é comum que a mulher tenha muita vontade de ir ao banheiro com frequência, porque os hormônios liberados para relaxar os músculos e permitir que o útero cresça acabam afetando a bexiga também. Mais relaxada, ela não consegue reter muita urina e acaba tendo vontade de ir ao banheiro mais vezes.

Conforme a gravidez vai avançando, a vontade de ir ao banheiro com mais frequência passa a ser causada pelo tamanho do feto que comprime a bexiga, fazendo com que ela comporte um volume menor.

Espinhas e pele oleosa

Novamente, por causa da oscilação dos hormônios, a pele pode ficar mais suscetível à acne em qualquer momento da gravidez, não só no início. Alguns remédios para espinhas, como o Roacutan, são contra indicados para grávidas. Por isso mulheres em idade fértil e que pretendem engravidar devem evitar esse tipo de remédio e investir em outras formas de combater cravos e espinhas.

Cansaço fácil

Muito sono e vontade de dormir o tempo todo aparecem no começo na gravidez pela quantidade de progesterona no organismo. A notícia boa é que esse cansaço diminui muito depois de oito semanas e costuma voltar apenas durante as últimas, quando o bebê já está mais pesado, exigindo mais força da mãe para fazer as atividades normais do dia a dia.

Dormir de sete a oito horas é importante assim como tirar alguns cochilos depois do almoço e sempre que se sentir muito cansada. Essa atitude pode ajudar a passar o resto do dia de forma mais tranquila. Lutar contra o sono pode ser difícil no trabalho, por exemplo, mas se puder tirar uns quinze minutos para sentar em um lugar confortável e ler um pouco, isso já pode ser muito útil.

Enjoo e vômito

Esses são um dos sintomas mais comuns e responsáveis por levantar suspeitas de gravidez. Quando aparecem junto ao atraso menstrual é quase certo de que existe um embrião se desenvolvendo dentro de você.

O enjoo matinal é muito comum no primeiro trimestre, algumas mulheres se queixam apenas de leve náuseas, enquanto outras têm enjoos tão intensos que as impedem de se alimentar direito. Neste caso, é preciso consultar um médico para tentar reduzir os enjoos e ingerir todos os nutrientes necessários.

Variações de humor

As variações de humor também são comuns e a grávida pode ir da alegria à tristeza em poucos minutos. Apesar de comum, esse sintoma pode dificultar o relacionamento com outras pessoas e ser um empecilho no trabalho, por exemplo. Estar sensível ou ter um comportamento mais explosivo é normal e as pessoas que estão próximas a você podem entender o que está acontecendo — realmente é difícil lidar com a quantidade de hormônios que está circulando no seu corpo nesse momento —, mas você também deve fazer um esforço para não tornar a convivência tão difícil.

Enquanto algumas grávidas oscilam entre felicidade e tristeza, outras tendem a ficar depressivas. Nesse caso, é fundamental ter atenção e procurar ajuda médica durante a gravidez e depois do parto. A responsabilidade sobre outra vida, as dúvidas e incertezas da gravidez podem ativar gatilhos que levam à depressão, um transtorno sério que pode e deve ser tratado quanto antes.

Constipação intestinal

Alguns dos hormônios que estão circulando no organismo durante a gravidez são responsáveis por relaxar os músculos, permitindo que o útero cresça e empurre os outros órgãos. Por causa desse hormônio, o intestino tende a ficar um pouco mais preguiçoso, dificultando a digestão e causando uma sensação de saciedade muito rápida. É um sintoma pouco falado, mas que atinge várias pessoas, principalmente quem já tem o intestino preso normalmente.

Desejos alimentares e alteração no paladar

Os desejos alimentares aparecem por dois motivos. Primeiro, as mudanças no organismo provocam uma diferença no pH da boca, alterando a percepção sobre o sabor dos alimentos. Então, é comum acontecerem desejos por comidas que não são consumidas pela gestante normalmente. E segundo, a demanda por alimentos diferentes é uma forma de conseguir os nutrientes que faltam para garantir a saúde dos organismos da mãe e do bebê.

Diante disso, pode acontecer, por exemplo, que uma pessoa vegetariana senta desejo de comer carne. Isso acontece pelo fato da grávida precisar de proteínas e o seu paladar, agora, sentir o sabor de uma forma diferente.

Dor na lombar

No início da gravidez, a dor na lombar aparece em decorrência do hormônio que relaxa a musculatura e permite que os ligamentos das costas, da pelve e do abdômen se alarguem um pouco. Isso pode gerar alguma dor e dificuldade para manter a coluna ereta, ocasionando a dor nas costas. Mais no final da gravidez, a dor nas costas pode ser do peso extra do bebê que já está maior.

sintomas-de-gravidez01

Sintomas das primeiras semanas

Nas primeiras semanas, é comum que o organismo comece a se adaptar para receber o bebê, mas nem todos os sintomas citados acima aparecem logo de cara. E, como já dissemos antes, alguns sintomas podem não aparecer em momento algum.

Atraso menstrual e corrimento vaginal que se assemelha ao sangue, chamado por algumas pessoas de corrimento cor-de-rosa, são com certeza os primeiros sinais de que o seu corpo está passando por mudanças profundas.

Esse corrimento aparece devido à fixação do óvulo na parede do útero, o que libera uma quantidade bem pequena de sangue. E o atraso menstrual acontece por causa da fecundação do óvulo, se o corpo expulsa os tecidos do revestimento interno do útero, não tem como o embrião se desenvolver.

Depois destes primeiros sintomas, o organismo começa a liberar hormônios para que todos os órgãos relaxem a musculatura e permitam o crescimento do útero durante os meses que estão por vir. Por causa desse hormônio, o intestino tem dificuldade de digerir todo o alimento na mesma velocidade. Isso resulta em enjoos e vômitos, principalmente, em quem já tem predisposição a se sentir enjoada em outras situações, como viagens de carro por exemplo.

Outros sintomas começam a aparecer depois de algumas semanas e a maioria acontece por causa das mudanças necessárias para manter o corpo preparado para a gestação e o parto.

As mudanças no corpo na gravidez

Nas primeiras semanas, as mudanças são mais sutis e, com o tempo, vão se tornando cada vez mais evidentes. A barriga cresce, em algumas pessoas mais do que em outras, mas é muito comum que ela fique um pouco flácida para comportar a expansão do útero.

Algumas mulheres podem engordar muito e isso sobrecarrega ainda mais as articulações, já prejudicadas pelo aumento natural de peso que acontece durante a gestação. Portanto, é importante, manter uma alimentação balanceada, comendo todos os nutrientes necessários, sem ganhar muito peso. A ingestão de todos os nutrientes é fundamental para que você esteja saudável e seu bebê também.

Os seios também se dilatam um pouco para permitir a passagem do leite que vai amamentar o bebê depois do parto. Naturalmente, os seios aumentam de volume com o fluxo de leite e algumas veias azuladas podem ficar visíveis. Passado o período de amamentação tudo volta ao normal.

Algumas mulheres também sentem que a pele está diferente e isso acontece devido às alterações hormonais estimularem o aumento da oleosidade. Esse efeito pode melhorar a aparência da pele, fazendo com que ela pareça mais brilhante e hidratada, ou acarretar o aparecimento de acne.

Como saber se você está grávida?

A resposta mais óbvia nesse caso também é a melhor solução: faça um teste de gravidez. Podem ser desses de farmácia mesmo, que tem uma margem de acerto muito boa e mostram o resultado na hora, sem a tensão de esperar por um exame de sangue ficar pronto.

O mais indicado é fazer pela manhã, quando a quantidade de hormônios é maior no seu organismo e a chance do teste acertar é maior. No caso de um resultado positivo, procure logo um obstetra e realize o pré-natal para acompanhar o desenvolvimento do seu bebê e garantir sua saúde.

 

O conteúdo te ajudou? Aproveite e veja as dicas essenciais para o início da gestação.

Você também vai gostar destes conteúdos: